Notícias

Confira as últimas notícias

a- A+
Artigo:
Bazar Maravilha desta sexta-feira destaca o centenário do sambista carioca  

 

Nelson Cavaquingo (à dir.) ao lado do amigo Cartola (Foto: J. Ferreira da Silva)
 

Bazar Maravilha desta sexta-feira, 15 de julho, é dedicado ao centenário do compositor e sambista carioca Nelson Cavaquinho (1911-1986). Além disso, Tutti Maravilha recebe o cantor e compositor mineiro Ricardo Nazar, ao vivo, no estúdio da Brasileiríssima.

O programa vai ao ar às 14 nas ondas da Rádio Inconfidência FM 100,9 e pela rádio online.

Biografia de Nelson Cavaquinho
O envolvimento de Nelson Antônio da Silva com a música inicia-se na família. Seu pai era músico da banda da Polícia Militar e seu tio tocava violino. Depois, morando na Gávea, passou a frequentar as rodas de choro. Foi nessa época que surge o apelido que o acompanharia por toda a vida. Casou-se por volta dos seus 20 anos com Alice Ferreira Neves, com quem teria quatro filhos e na mesma época consegue, graças a seu pai, um trabalho na polícia fazendo rondas noturnas a cavalo. E foi assim, durante as rondas, que conheceu e passou a frequentar o morro da Mangueira, onde conheceu sambistas como Cartola e Carlos Cachaça.

O músico deixou mais de quatrocentas composições, entre elas clássicos com "A Flor e o Espinho" e "Folhas Secas", ambas em parceria com Guilherme de Brito, seu parceiro mais frequente. Por falta de dinheiro, depois de deixar a polícia, Nelson eventualmente "vendia" parcerias de sambas que compunha sozinho, o que fez com que Cartola optasse por abandonar a parceria e manter a amizade. Sua primeira canção gravada foi "Não Faça Vontade a Ela", em 1939, por Alcides Gerardi, mas não teve muita repercussão. Anos mais tarde foi descoberto por Cyro Monteiro que fez várias gravações de suas músicas. Começou a se apresentar em público apenas na década de 1960, no Zicartola, bar de Cartola e Dona Zica no centro do Rio. Em 1970 lançou seu primeiro LP, "Depoimento de Poeta", pela gravadora Castelinho.

Com mais de 50 anos de idade, conheceria Durvalina, trinta anos mais moça do que ele, sua companheira pelo resto da vida. Morreu na madrugada de 18 de fevereiro de 1986, aos 74 anos, vítima de um enfisema pulmonar. (Fonte: Wikipedia).

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -
Marcar este artigo como favorito neste site
                      twitter
Cadastre-se no portal para usufruir todos os recursos do site. Se você já possui uma conta, faça o login ou crie uma nova conta